SAÚDE MENTAL EM TEMPOS DE CRISE: Como adaptar-se ao isolamento social e cuidar da sua saúde mental

Nossa geração nunca passou por uma crise como a que estamos vivendo. Isso já torna-se um grande desafio para todas as pessoas.

Muitas vão perder seus empregos, os pequenos comércios serão afetados, pessoas vão morrer... Milhares de questionamentos povoam nossa mente e o que predomina é a incerteza.

Logo, a ansiedade é o primeiro sintoma a considerar-se diante dessa pandemia.

Então, como adaptar-se ao isolamento social e cuidar da sua saúde mental?

Toda esta situação tem o poder de afetar os níveis de ansiedade, pois fatores desconhecidos e incertos fazem com que todos se sintam inseguros, principalmente em casos como esse, de escala mundial.

O que nós podemos fazer é buscar amenizar os sintomas de ansiedade e tentar viver de uma maneira saudável, refletindo sobre os aprendizados que podemos ter com toda essa triste realidade.

1- Mantenha uma rotina Isso ajudará a manter seu pensamento ocupado com coisas produtivas. Se você está trabalhando em casa, mantenha o horário que você já está acostumado. O fato de não ter o deslocamento até o trabalho, pode te ajudar a ter uma rotina mais tranquila e saudável no café da manhã. 

Se você está em casa e não pode trabalhar, a rotina também é algo muito importante para manter sua mente saudável.

2- Procure fazer coisas que você gosta sempre lembrando que algumas precisam ser adaptadas nesse momento de isolamento. Mas quem disse que você não pode reinventar outras formas de viver e de descobrir novas habilidades?

3- Use a tecnologia para aproximar-se e ajudar pessoas Ao mesmo tempo que ela serve para nos conectar com as pessoas que nos são queridas, ela também serve para exercitar a empatia e o apoio a quem  precisa. Você pode inclusive oferecer ajuda naquilo que você faz ou sabe, e que  outras pessoas podem estar precisando. 

4- Se estiver em crise procure um psicólogo Um profissional especializado pode ser essencial para ajudar-lhe a lidar com a ansiedade, o medo e pânico excessivos.

Algo importante e que precisa ser ressaltado, é que independente do que você escolhe pensar, não vai mudar a situação do isolamento e tampouco resolver a situação econômica do nosso País.

Precisamos ter discernimento nesse momento e o melhor a fazer é cuidar-se e cuidar do outro. A solidariedade, empatia e consciência coletiva, serão os maiores antídotos para mudar esse cenário. Afinal, estamos vivendo uma situação em que não há espaço para o egoísmo. Todos nós estamos no mesmo barco e estamos todos assustados. O que muda aqui são as nossas escolhas.

E você pode escolher evitar o contágio não saindo de casa, obedecendo o isolamento, tão necessário para superarmos tudo o que está acontecendo.

Se todos nós fizermos nossa parte, pensando nos outros, além de em nós mesmos, será muito mais fácil lidar com esse momento de crise.

 

Beijos e abraços virtuais são sempre bem-vindos.

 

Daniela Caramori Morgan – Psicóloga – CRP 06/102734

Marcelo Salgado – Psicólogo – CRP 06/81547             

Sergio Rosa – Psicólogo – CRP 06/15726

Vania de Castro – Psicóloga – CRP 06/15110

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de ComunidadeELA-Brasil.

Join ComunidadeELA-Brasil

Comentários

  • Aquietai-vos.
  • Vânia querida, tu disseste que vivemos num momento que não há espaço para o egoísmo. Mas, te digo que esse espaço existe. Quando crítico alguém que não está cumprindo o mandato de isolamento; mas, o farmacêutico, o padeiro, os funcionários dos supermercados estão lá; porque o propósito é que eu não passe necessidade. É tem outra coisa, sujeitos a levarem o vírus para os seus entes queridos.
    De uma coisa eu tenho certeza, v assim acabar no dia que o Eterno disser como fez com o vento: vento aquieta-vos.
    Beijos
    • Querida Sonia, Maria,
      desejo que você esteja bem.
      Vivemos um momento difícil e é preciso lutar para manter a vida!
      E, também, estamos diante de um grande desafio, que mundo queremos quando a pandemia terminar. Tenho pensado muito sobre esta questão.
      Meu carinho sempre.
      Com amor,
      Vania
This reply was deleted.