BLOG

Quando o trabalho proporciona independência

 

Um diagnóstico de doença grave, além de ser um choque para os envolvidos, pode abalar as finanças de uma família. A atenção demandada nos cuidados do familiar pode comprometer trabalho, carreira e renda em um momento em que dinheiro é bastante necessário para as despesas médicas.

Esse foi o desafio enfrentado por Simone Nunes da Silva, ao descobrir que seu marido foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica. A doença neurodegenerativa acaba afetando os músculos, enfraquecendo-os, e dificultando algumas funções do organismo. Essas limitações demandam cuidados especiais e por vezes, dedicação integral de um cuidador. O diagnóstico da doença foi um baque para o casal. Simone percebeu que sua presença em casa se tornaria essencial, visto que ela não tinha condições para contratar alguém para se dedicar a esse cuidado.

A agente Simone Nunes da Silva (Imagem: Acervo pessoal)
 
Foi neste período que ela conheceu a Kunla, há mais de dois anos. A plataforma estava no início, e foi uma amiga que a apresentou ao projeto. O negócio social, apesar de empregar mães com filhos pequenos e este não ser o caso de Simone, compreendeu a sua situação e a agente se tornou um caso de exceção. “A Kunla nos ajudou bastante nesse sentido”, reforça Simone.

Hoje, ela comenta que está muito feliz com a evolução da plataforma. “As oportunidades da Kunla estão aumentando, as ofertas estão aumentando, e isso está me ajudando muito. Além de ajudar nas despesas de casa, me ajuda a ter uma independência financeira”.

Como agente de recrutamento e seleção, Simone celebra que consegue gerar renda e manter interações sociais com sua nova atividade profissional, enquanto se atenta aos cuidados do marido.

Uma parceria de sucesso

Em um dos seus trabalhos como agente, Simone selecionou candidatos para um processo seletivo de menor aprendiz na Servix, empresa da área de TI. Silvana Borges, representante da Servix envolvida nesse processo, comenta que a parceria foi bastante benéfica e facilitou muito a seleção. Segundo ela, os candidatos não apenas chegaram mais preparados para todo o processo, como também se encaixavam perfeitamente no perfil de vaga e nas características desejadas pela empresa. Com isso, a seleção foi mais rápida e eficiente.

O contato entre agente e candidato para a vaga é a peça chave para a contratação bem-sucedida. Neste caso, Simone trabalhou com Guilherme Pessoa Nascimento, morador da zona Sul de São Paulo e com 16 anos. À época, Guilherme comenta que estava procurando uma oportunidade de inserção no mercado.

“A Simone entrou em contato comigo, fazendo perguntas sobre mim e sobre porque eu tinha interesse na vaga”, comenta Guilherme. A partir daí, a agente orientou e acompanhou o jovem no processo, com o envio de currículo e participação nas duas fases da seleção para a vaga de menor aprendiz.

Guilherme foi selecionado para a vaga em sua primeira experiência em um processo seletivo. Ao falar sobre isso, relembra a importância da ajuda de Simone: “ela ajudou bastante, sempre passando dicas, perguntando se eu tinha dúvidas, como estava indo no processo e fazendo a intermediação com a empresa”.

O jovem lembra da surpresa de quando Simone entrou em contato sobre sua aprovação, e chegou a não acreditar na notícia. Ao ver que era verdade, ficou muito feliz com a sua trajetória e conquista.

Simone diz ser estimulante o trabalho de recrutamento e seleção, pois lhe dá a oportunidade de conversar e conhecer pessoas. “Eu gosto muito de fazer esse trabalho, porque me ajuda a exercitar a cabeça, me faz entender as pessoas, conversar com elas, compreender suas necessidades”, destaca.

FONTE: https://medium.com/@kunla.social/quando-o-trabalho-proporciona-independência-6e27ab696a3c

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de ComunidadeELA-Brasil.

Join ComunidadeELA-Brasil