Comunidade ELA-Brasil

Espaço para reinventar a vida

Minha mãe esta internada no hospital da unimedbh de minas gerais, e quando demos entrada no PA do hospital o medico me perguntou se era para continuar o tratamento ou deixar ela morrer, por ser uma doença incurável,  eu disse que era para usar todos os recursos do hospital, inclusive o CTI, ele me fez esta pergunta varias vezes durante a noite e que se a família não resolvesse,  eles mesmos os médicos iriam tomar esta decisão, Tanto que apartir dai ele fez vários exames e pediu um ultrassom de urgência, no sábado 21/02/2014 as 3;00 da madrugada e foi aprovado pelo plano, só que hoje é 23/02/2014 as 16;00 e ainda o ultrassom não foi feito. Ela foi transferida para o quarto e lá novamente vieram outros médicos tentando reverter a nossa decisão de continuar o tratamento e deixar ela morrer. Quero saber se alguém já passou por esta situação? isso é legal? fiquei sabendo que o código ético dos médicos mudou em relação as doenças incuráveis, quem tiver o código  favor me enviar, para que eu possa tomar medidas cabíveis  perante a lei contra esse médicos e o hospital. Ela esta  lúcida , acordada, saturando 98 e batimentos cardíacos 68 e respondendo bem ao tratamento. Esse médicos estão virando assassinos e colocando a família em saia justa. Deixo aqui minha indignação e a conselhos a todos que tem um familiar com ELA nunca deixar ele sozinha no hospital e sempre vigiar para que nada aconteça. Kátia..

Exibições: 430

Responder esta

Respostas a este tópico


Minha querida,

sempre que leio ou relembro a história que vc viveu com Cleodecir me emociono.

Por isso, tenho pensado muito que a luta vai muito além da cura da doença.

A luta é por um atendimento na área da saúde que respeite o ser humano em sua totalidade.

A dignidade precisa ser nossa companheira tanto quanto a fé e a esperança.

Beijos e abraços de carinho,

Vania


cleodecir rodrigues alonso disse:

oi amiga Katia infelizmente  passei por essa situação meu esposo portador de ela ha 5 anos em setembro ele deve um quadro de diarreia onde ficou internato. com fraqueza provocada por esse quadro o uso do bipap foi continuo os médicos resolveu fazer a traqueostomias nos com monde duvidas através de amigos com ELA revolvemos que seria melhor a traqueostomia para uma melhor qualidade de vida ele recebeu alta ficou 5 dias em casa retornou com bronco pneumonia apenas 2 fisioterapeuta sabia o que era esclerose lateral amiotrófica ficou 1 semana na UTI pois era uma simples pneumonia que receberia alta na próxima semana só que no final de semana são medico plantonista e a medica me comunicou que o quadro dele ela delicado pois o pulmão dele estava perfurado em todos os raio x estava claro a perfuração meu esposo ficou  mas alguns dias la e esse medico venho ate eu e disse não ha muito o que fazer você sabe que essa doença e progressiva vou dar alta apos questionar ele exame de sangue tudo alterado acabou tanto alto meu esposa já não queria ficar la pois todos via ele como caso terminal viemos embora ficamos 3 dias em casa retornei com ele oxigenação 64 a pressão arterial 10x8 derepente ia 16x10 a medica que me atendeu ja foi falando que ele não iria voltar pra casa com uma semana ela queria induzir a coma questionei ela pq ela falava que era pra ele não sofrer todos os dia quando a enfermeira chegava com a medicação eu não deixava entrar com a sedação pois ele estava consciente nao sentia dor pra que essa medicação e ela sem pre falava e melhor pra ele termina com o sofrimento.

todos os dias ela com palavras duras me falava por que vc não deixa  ele não vai embora ele esta no fim  eu disse se ele esta no fim ele vai passar do lado da sua família no dia 23 de dezembro como sempre perguntava pra ele se estava bem se estava com dor e esse dia ele com a cabeça quando perguntei me disse que não estava bem perguntei se ela dor ele disse que não eu então falei um mal estar e ele com gesto disse talvez mas percebi que não estava bem pedi pra chamar o medico e o medico disse são cuidados paliativo vou subir mas não agora passou se duas horas fui na subdivisão , parte administrativa e nada  de medico vim ele começou a roxear então pedi para algumas enfermeira que gostava dele e me orientou a procurar alguns responsável  olha ele sai do hospital chorando por que ninguém queria socorrer fui ate uma delegacia expliquei ocorrido e delegada vanessa falou que não podia fazer nada pois ele estava internato pediu que eu fosse no conselho regional de saúde fui mas estava de recesso e iria retorna dia 6/01  retornei pra delegacia pois eu queria ajuda precisava de ajuda e a delegada falou que não tinha o que fazer que era pra eu continuar gravando o descaso ou chama  a mídia e se ocorre se algumas coisa ai sim era caso de policia retornei aos planto quando voltei ele já estava na emergência  as enfermeira acompanhante de paciente e paciente que presenciou o ocorrido falou que ele já saiu cabeça caída chegando na emergência o medico me disse de hoje ele não passa pois a pressão dele esta 5x 3 que tinha o que fazer o medico falou vc chamou pra socorrer ele mas nos estava na emergência eu respondi não mente pra mim que tenho tudo gravado o descaso, médicos conversando três horas pra ser socorrido a insistência de sedar ele eu em cima e mesmo assim passei esse momento horrível ve lo morrendo aos pouco e nada foi feito medico simplesmente olhando e falando que a doença mais cedo o mas tarde iria leva los que o melhor seria sido sedar ele meu esposo infelizmente pegou um desses assassinos força minha querida sei que não e fácil esteja sempre presente na vida da sua mãe que Deus lhe abençoe vc e sua maezinha  

Com a tal politica social brasileira do jeito que está e para direção que caminha,é de assustar.Precisamos reverter esta realidade assustadora.Este ano é o momento.A decisão sobre minha vida,é minha.

Vania, a distanasia é legal ? Pois já passei por isso com minha mãe . Os médicos falarem q não valia a pena levá-la ao hospital numa necessidade pois não garantiam que ela aguentasse ser transferida e era melhor ela morrer em casa do que numa UTI de hospital longe dos parentes. Que era melhor tratá-la apenas com medicação paliativa aliviando as dores e para que ela não sofresse.

Oi Kátia, meu pai teve um pneumonia que agravou o quadro respiratório dele. Ele não conseguia respirar com a ajuda da ventilação mecânica, a única opção era entubar. O médico pediu p/ minha irmã perguntar p/ família o que era p/ fazer, pois a doença é progressiva e blá, blá, blá e a ladainha que eles sempre falam. Ele disse que se entubassem provavelmente teriam que fazer a traqueostomia e que ele não teria qualidade de vida e que o melhor seria chamar a família p/ dar um conforto (em outras palavras, deixar ele morrer). Me deu uma raiva quando ela me ligou falando isso, comecei a chorar, pois tinha acabado de sair do hospital e falei que era claro que deveriam entubá-lo. Ele fez a traqueo 6ª feira passada (28/03) e está super bem.

Acho que esses médicos deveriam ter vergonha de perguntar e sugerir algo desta natureza. Quem sabe a hora de partir é Deus. Enquanto há vida, há esperança. Sou de BH também. Abraços!

Querida Moema,

a sua pergunta é muito importante, uma vez que,falar sobre a morte e o morrer ainda é um assunto que conversamos timidamente. O termo distanásia é o prolongamento exagerado da morte da pessoa doente. Muitas vezes os prrocessos terapêuticos usados fazem tanto mal ou mais que chega a ser mais maléfico do que a própria enfermidade. Como disse Milene: enquanto há vida, há esperança! A distanásia não é legal, mas é acontece mais do que imaginamos.Tocarei novamente no assunto brevemente.Beijos e abraços de carinho, Vania
Moema Souza disse:

Vania, a distanasia é legal ? Pois já passei por isso com minha mãe . Os médicos falarem q não valia a pena levá-la ao hospital numa necessidade pois não garantiam que ela aguentasse ser transferida e era melhor ela morrer em casa do que numa UTI de hospital longe dos parentes. Que era melhor tratá-la apenas com medicação paliativa aliviando as dores e para que ela não sofresse.



Vania de Castro disse:

Querida Moema,

a sua pergunta é muito importante, uma vez que,falar sobre a morte e o morrer ainda é um assunto que conversamos timidamente. O termo distanásia é o prolongamento exagerado da morte da pessoa doente. Muitas vezes os prrocessos terapêuticos usados fazem tanto mal ou mais que chega a ser mais maléfico do que a própria enfermidade. Como disse Milene: enquanto há vida, há esperança! A distanásia não é legal, mas é acontece mais do que imaginamos.Tocarei novamente no assunto brevemente.Beijos e abraços de carinho, Vania
Moema Souza disse:

Vania, a distanasia é legal ? Pois já passei por isso com minha mãe . Os médicos falarem q não valia a pena levá-la ao hospital numa necessidade pois não garantiam que ela aguentasse ser transferida e era melhor ela morrer em casa do que numa UTI de hospital longe dos parentes. Que era melhor tratá-la apenas com medicação paliativa aliviando as dores e para que ela não sofresse.

Moema, bom dia,  aqui em bh tem dois hospitais que eu indico para vc é o Hospital da Unimed bh na avenida do contorno que tem um médico Dr Rafael que é um gastroenterologista muito bom e humano ele atendeu minha mãe muitas vezes e o Hospital Madre Tereza , e os outros hospitais tem que ser as ultimas alternativas pois eles não tem estruturas e nem médicos capacitados. Tenha força e coragem pois a luta é grande, sempre haverá resistência por partes deles por não ter conhecimento da doença, de opiniões, sugestões, e se manifesta que vcs sabe tudo sobre a doença e suas complicações e que o bem estar do paciente que é  importante. Bjos. Kátia.



katia regina de oliveira santos disse:

Moema, bom dia,  aqui em bh tem dois hospitais que eu indico para vc é o Hospital da Unimed bh na avenida do contorno que tem um médico Dr Rafael que é um gastroenterologista muito bom e humano ele atendeu minha mãe muitas vezes e o Hospital Madre Tereza , e os outros hospitais tem que ser as ultimas alternativas pois eles não tem estruturas e nem médicos capacitados. Tenha força e coragem pois a luta é grande, sempre haverá resistência por partes deles por não ter conhecimento da doença, de opiniões, sugestões, e se manifesta que vcs sabe tudo sobre a doença e suas complicações e que o bem estar do paciente que é  importante. Bjos. Kátia.

Responder à discussão

RSS

Administração Comunidade ELA-Brasil

Mantenedora do Site 

Vania de Castro

Psicóloga CRP 06/15110

Administração do Site: Equipe da ComELA-Brasil

Badge

Carregando...

Sobre

GENTILEZA GERA GENTILEZA

© 2018   Criado por Vania de Castro.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço